Vote Aqui

Criado há 6 meses, Ibequi elege sua primeira Diretoria

16 DE FEVEREIRO 2021



Assembleia virtual reuniu filiados de todo Brasil, na tarde desta segunda-feira (15/02), e, por unanimidade, o nome de Caco Auricchio, da ABQM, foi indicado para presidir o Conselho de Administração

Em meados de agosto de 2020, diversas associações equestres se uniram para elaborar um protocolo sanitário unificado, visando a realização de provas de diferentes modalidades e raças pelo Brasil. A iniciativa deu certo e logo mostrou que esta ligação seria fundamental para evidenciar o potencial econômico da equideocultura no país, como grande gerador de empregos que é.

Nascia, assim, o Instituto Brasileiro de Equideocultura (Ibequi), em um contexto de incertezas relacionadas à pandemia de Coronavírus e atendendo a um pleito antigo de diversas entidades da cadeia produtiva do cavalo no país.

Na tarde desta segunda-feira (15/02), em votação histórica para o setor, o recém-criado instituto elegeu os membros de sua primeira Diretoria e seu Conselho de Administração e Fiscal para o biênio 2021-2022.

Antes mesmo da criação e formalização do Instituto, entre agosto e novembro de 2020, o Ibequi já vislumbrava atuação em cinco pilares: Assuntos Regulatórios; Cultura e Ações Sociais; Sanidade Animal; Segurança Jurídica e Bem-Estar Animal e Esportes Equestres. Sua missão é unir e fortalecer todos os elos da cadeia produtiva brasileira, por meio de diferentes atividades e iniciativas, a partir da fundamentação em estudos técnicos.

Dentre a composição eleita, Carlos Eduardo Pedrosa Auricchio foi, por unanimidade, designado como o primeiro presidente do Conselho de Administração do Instituto. A diretoria é composta por representantes das entidades de raça, modalidades, profissionais e correlatas. Veja a relação completa abaixo:

Conselho de Administração

Carlos Eduardo Pedrosa Auricchio (ABQM - Associação Brasileira de Criadores de Cavalo Quarto de Milha)

Antonio Galvão dos Santos Junior (ABCCMM – Associação Brasileira dos Criadores do Cavalo Mangalarga Marchador)

Camilla Menezes (ABCCC - Associação Brasileira de Criadores do Cavalo Crioulo)

Francisco Emilio Costa de Moura (ANCR - Associação Nacional Cavalo de Rédeas)

Ismael Gonçalves da Silva (ABPSL – Associação Brasileira de Criadores do Cavalo Puro Sangue Lusitano)

Jerônimo Luiz Muzetti  (CNAR - Confederação Nacional de Rodeio)

Luis Augusto de Camargo Ópice (ABCCRM – Associação Brasileira de Criadores de Cavalos da Raça Mangalarga)

Nilson Genovesi (SNLR – Sindicato Nacional Leiloeiros Rurais)

Paulo Gustavo A. Lima de Moura (ABVAQ - Associação Brasileira de Vaquejada)

Ricardo Amadeu Sassi (SRB - Sociedade Rural Brasileira)

Rui Carlos Vincenzi (ABRAVEQ – Associação Brasileira dos Médicos Veterinários de Equídeos)

Conselho Fiscal

Gabriel Khoury (ABCCH - Associação Brasileira de Criadores do Cavalo de Hipismo)

Sérgio Serra Thomé Filho (ABCPaint – Associação Brasileira de Criadores de Cavalos da Raça Paint)

Flávia Dias Cajé (ANTT - Associação Nacional Três Tambores)

Mayra Frederico (ABCPCC (PSI) - Associação Brasileira de Criadores e Proprietários do Cavalo de Corrida)

Najla Sobral Wanderley Prates (Associação REDE PNSE (Programa Nacional de Sanidade Equídea)

A união das raças como meta

“A união das raças era um desejo antigo e uma das metas desde quando assumi a Presidência da ABQM”, enfatiza Caco Auricchio, que é pecuarista, empresário e criador de cavalo da raça Quarto de Milha há mais de 20 anos. Dirigente institucional de outras entidades do setor da construção e mineração, o atual Presidente do Conselho do Ibequi defende uma cadeia produtiva uníssona: “Nossa bandeira é o cavalo e, juntos, podemos mostrar a real importância que temos na economia brasileira, nas articulações de políticas públicas e trazer mais segurança jurídica para desenvolvermos nossas atividades”.

Auricchio destaca ainda que o IBEqui pode ser a forma mais adequada de avanço da equideocultura nacional. "Acredito, de verdade, que esse grupo pode transformar a forma como se vem trabalhando a equideocultura no Brasil sob diversos aspectos, não só de sanidade, mas olhando também para o mercado e, acima de tudo, para os esportes equestres."

Manuel Rossitto, com o incondicional apoio de todos os membros da Junta Administrativa, lideraram todo o processo de formalização da entidade. O agora presidente executivo do IBEqui lembra que o Instituto já está com ações em andamento, como a atualização do Estudo Complexo do Agronegócio do Cavalo, o encaminhamento do Passe Equestre para esfera nacional, entre outras. "Dentro de um curto espaço de tempo, tenho certeza de que o cavalo estará em outro patamar", afirma Rossitto.

Siga o IBEqui nas redes sociais: /@institutoibequi.

Voltar

© Instituto Brasileiro de Equidecultura - Todos os direitos reservados